Comentários Eleison nº 732



Por Dom Williamson

Número DCCXXXII (732) – 24 de julho de 2021


A VIDA É PRECIOSA


“Quando nasci, não aceitei o Inferno!”

Deus te deu tudo que necessitavas para viver bem.


“E então o iníquo (o Anticristo) será revelado, e o Senhor Jesus o matará com o sopro de sua boca e o destruirá com sua aparição e sua vinda. A vinda do iníquo pela ação de Satanás será acompanhada de todo tipo de portentos, sinais e prodígios mentirosos, e de todo engano perverso para aqueles que haverão de perder-se, por recusarem-se a amar a verdade e assim ser salvos. Por isso, Deus há de enviar sobre eles uma operação de engano, para fazê-los acreditar no que é falso, para que sejam condenados todos os que não creram na verdade, mas antes se comprouveram na iniquidade” (II Tes. II, 9-11).


Se muitos dos profissionais sérios que estudaram os conteúdos das inoculações relacionadas à covid estão certos, então muitos milhares daquelas pessoas que foram inoculadas já morreram por causa disto. Mas o pior ainda está por vir, dizem eles, porque a inoculação compromete a própria defesa imunológica natural do organismo, de modo que qualquer nova exposição ao vírus pode vir a ser fatal, sobretudo a partir deste outono no hemisfério norte, com a reabertura da temporada de gripe. Resta saber se essa terrível profecia é verdadeira, mas considerando quantos danos em mortes e lesões a chamada "vacina" já causou, a profecia parece bastante possível, se não provável, e, se for verdadeira, então haverá um grande número de pessoas bastante zangadas.


Que se enfureçam com todos os propagandistas que mentiram dizendo que a “vacina” era segura e eficaz, políticos, jornalistas, médicos, dentre outros, é uma coisa. O problema é que serão tentadas a culpar a Deus, e se arriscam a recorrer a citações como a anterior para provar seu ponto de vista. Então, na calmaria antes da possível tormenta, olhemos para esta citação que não é a única desse tipo. Então, como pode Deus enviar positivamente o erro e, em segundo lugar, o que Lhe dá direito de impor Sua ideia de “Justiça”?


Em primeiro lugar, Deus é a Bondade absoluta, porque Ele é o Ser absoluto, e somente a falta de ser pode ser má. É absolutamente impossível que Deus cause diretamente o mal moral. O que Ele pode fazer é causá-lo indiretamente, ao não dar a graça ou as graças que teriam impedido aquele mal moral de produzir-se. Nesse caso, Ele não está agindo positivamente, mas está abstendo-se de agir, ou agindo negativamente, para permitir que o mal se produza. Ele é totalmente livre para dar ou não dar aquelas graças que teriam evitado o mal, e se as desse sempre, estaria com efeito impedindo os seres humanos de exercerem seu livre arbítrio e merecerem o Céu. Mas um Céu imerecido não poderia ter a qualidade de um Céu merecido, e é por isso que vivemos neste “vale de lágrimas” – Deus nos criou só para o melhor, mesmo que isso exigisse o “dano colateral” de um “vale de lágrimas” no qual a maioria de todas as almas criadas escolheria o Inferno (Mt. VII, 13-14).


Em segundo lugar, quem fez com que a “verdade” fosse verdade? Quem fez com que o “falso” fosse falso? E por que o “verdadeiro” é “justo”? E por que o “falso” é “injusto”? Resposta: Deus criou o universo para ser o lar da humanidade como um todo ordenado composto de muitas partes. A ordem de Deus em nosso lar é verdadeira (corresponde à mente de Deus), é bela (os habitantes das cidades modernas continuam saindo delas nos finais de semana para desfrutar das belezas da Natureza/Ordem de Deus) e é boa (essa Ordem é real, está na natureza, não é só um produto da minha imaginação). Portanto, a Ordem de Deus é verdadeira, bela e boa em toda a Sua Criação, e Deus criou minha alma do nada para dar-me um número de anos de vida suficiente para que meu livre arbítrio possa escolher entre reconhecer essa bondade em Sua Criação e amar o Criador e então dar-me a oportunidade de ir para Seu Céu para a bem-aventurança eterna; ou recusar-me a reconhecer a bondade do Criador em e por trás de Sua Criação, e em Sua oferta absolutamente maravilhosa de bem-aventurança eterna em troca de uns poucos anos de minha observação da verdade e da justiça de Sua Ordem. Em suma, a verdade e a retidão não são arbitrárias, mas se baseiam no que é, em minha fé em sua bondade e em minha submissão a ela.


Kyrie eleison.