Comentários Eleison nº 734



Por Dom Williamson

Número DCCXXXIV (734) – 07 de agosto de 2021


GOVERNOS SEM DEUS - I


O Oitavo Mandamento proíbe completamente as mentiras.

E com razão, pois elas pulverizam a vida humana.


Sem um Deus verdadeiro ou Seu juízo pessoal na hora da morte para temer, o que impede os governantes ou as elites governantes de explorar sua posição privilegiada para seu próprio benefício e não o do povo que governam? Um político moderno não responde a ninguém, exceto à grande mídia. A grande mídia responde a umas poucas pessoas que pertencem a uma raça que deseja dominar o mundo por meio da instalação de sua Nova Ordem Mundial. Mas esta NOM só pode instalar-se secretamente, porque eliminará os últimos vestígios da Cristandade, incluindo todas as liberdades que derivam da mesma Cristandade – não é a liberdade que dá a verdade, por causa do pecado original; é a verdade que dá a liberdade (Jo. VIII, 32), foi a verdade cristã que deu ao Ocidente suas liberdades políticas, e a vida, enquanto a NOM planeja matar bilhões da população mundial (tal como as “vacinas” de covid estão começando a fazer). Portanto, os atuais governantes ímpios do mundo são obrigados a fingir que estão promovendo a vida e a liberdade das pessoas, quando, na realidade, estão preparando a morte e a escravidão delas. É por isso que os políticos são tão mentirosos, especialmente desde a Revolução Francesa em 1789, quando o Ocidente cambaleou para a esquerda, para longe de Deus.


Ilustre-se essas grandes acusações com base na vida real recente: as ações do governo de Sua Majestade da Grã-Bretanha. No site de web de um partido nacionalista britânico (patria-uk.org), um patriota britânico escreveu um artigo que apoia a afirmação de D. Viganò publicada nestes “Comentários” na semana passada, a saber, que os povos do mundo devem parar de pensar que seus governos estão governando para o benefício de todos. Muito pelo contrário. Segue um resumo editado da primeira metade do artigo de Dennis Whiting:


Atualmente não estamos no comando de nosso próprio país: temos um governo de ocupação que cria sua própria “verdade” e faz girar os acontecimentos de acordo com uma narrativa pré-concebida. Desde o ano 2000, produziram-se várias catástrofes para as quais as explicações oficiais do governo não são credíveis. Especialmente o 11 de setembro, o 7 de julho e, mais recentemente, o envenenamento de Salisbury. As narrativas desses e de eventos semelhantes divulgadas por sucessivos governos e fielmente difundidas pela grande mídia são inconsistentes e incoerentes.


Em 2014, em um discurso nas Nações Unidas, o então primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, caracterizou o questionamento das narrativas oficiais por parte dos “teóricos da conspiração” como uma forma de “terrorismo de direita” que precisava ser combatida. Desde o início da covid-19, o governo britânico tem-se dedicado freneticamente a combater as narrativas alternativas, criando órgãos como a Integrity Initiative, e agora ameaça criminalizar qualquer busca séria pela verdade com a Online Harms Bill (lei sobre danos causados online). A Behavioral Insights Team [Equipe de Conhecimento do Comportamento] foi criada em 2010 como um órgão oficial responsável perante o Cabinet Office. Sua função é a gestão psicológica da percepção pública. O SAGE (Scientific Advisory Group for Emergencies [Grupo de Assessoramento Científico para Emergências) é um órgão semelhante criado para assessorar o Cabinet Office, juntamente com seu subgrupo SPI-B (Scientific Pandemic Insights Group on Behaviors [Grupo de Perspectivas Científicas sobre o Comportamento]). Em 2020, o SPI-B declarou que "um número considerável de pessoas ainda não se sente suficientemente ameaçadas pessoalmente [pela Covid-19]" e que "é necessário aumentar o nível de percepção da ameaça pessoal entre aqueles que são complacentes, utilizando mensagens emocionais contundentes”; em outras palavras, deve-se intensificar o medo para garantir que o público em geral aceite a narrativa do governo sobre a COVID-19.


Da mesma forma, após o envenenamento misterioso dos Scripals em Salisbury em março de 2018, o governo teve alguma dificuldade em fazer valer a narrativa oficial. Portanto, na reunião do G7 em junho daquele ano, a então primeira-ministra Theresa May anunciou que “os líderes do G7 concordaram em estabelecer um novo Mecanismo de Resposta Rápida”. Isso significava que todas as nações do G7 aceitariam automaticamente a versão de tais eventos fornecida por um de seus membros, e reagiriam da maneira apropriada...


Em outras palavras, sete dos principais governos do mundo prometeram unir-se na organização das mentiras! Vejam nestes Comentários da próxima semana o resto do artigo de Whiting.


Kyrie eleison