Comentários Eleison nº 741



Por Dom Williamson

Número DCCXLI (741) – 25 de setembro de 2021


CENÁRIO PLAUSÍVEL


As “vacinas” para covid são realmente uma grande ameaça?

Infelizmente, e elas podem ser ainda muito mais mortais!


Um frade americano chamado Irmão Alexis Bugnolo pinta um quadro dramático de nosso futuro próximo em um vídeo que muitos leitores já devem ter visto, mas do qual todos podem tirar bastante proveito, não porque tudo necessariamente acontecerá exatamente como ele prevê, mas porque algo do tipo deve acontecer, dadas as forças que já estão em jogo ao nosso redor. No século passado, os pecados da humanidade foram suficientes para “soltar os cães de guerra” em duas grandes guerras mundiais. Desde 1945 os cães de guerra latiram bastante, mas não morderam como em 1914-1918 ou em 1939-1945. No entanto, dos revolucionários anos sessenta em diante, a humanidade como um todo certamente pecou muito mais gravemente do que nunca, pela maneira como virou as costas para Deus. Portanto, quão mais pesado do que nunca deve ser o castigo da guerra? O Irmão Bugnolo dá-nos um vislumbre neste resumo adaptado de seu vídeo.


Os fabricantes das diversas “vacinas” para covid conhecem a ciência e não são estúpidos; portanto, sabem perfeitamente bem que suas “vacinas” podem matar. De fato – encaremos a realidade –, elas foram projetadas para matar, se não imediatamente, pelo menos dentro de alguns anos, para que a humanidade ainda com vida passasse a ser muito mais fácil de escravizar e controlar. E a essa altura algo em torno de 40% da população mundial já recebeu pelo menos uma dose de uma "vacina" para covid. Um especialista de verdade (e não um fabricado pela grande mídia), o virologista francês e ganhador do Prêmio Nobel, Luc Montagnier, disse que a vacinação em massa contra o coronavírus era "impensável", e um erro histórico que está "criando as variantes" e provocando mortes pela doença. Ele afirma que variantes de vírus podem produzir-se naturalmente, mas neste momento é a vacinação artificial que está impulsionando o processo: “As novas variantes são uma produção, e resultam da ‘vacinação’. Vê-se isto em todos os países, é a mesma coisa – e em todos os países as mortes continuam após a ‘vacinação’”.


Nos próximos dois anos corremos o risco de ver um grande número de mortes entre os vacinados, de modo que será melhor começarmos agora a preparar-nos espiritualmente para isso. Algumas pessoas ficarão impactadas pela magnitude das mortes – perderão a cabeça. Outras, agora crentes, também perderão sua fé. Perguntarão: "Onde está Deus?" e, "Por que Deus não impede tudo isso?". No entanto, quando um homem se joga de um penhasco, Deus é obrigado a suspender as leis da gravidade para evitar que ele morra? O homem optou pelo suicídio livremente. Deus normalmente não interferirá no uso que um homem fará do livre-arbítrio que Ele lhe dá. Na verdade, ao permitir o contrassenso da covid, Deus está atendendo ao desejo de morte suicida intrínseco a uma pós-cristandade que rejeita Cristo. Mesmo assim, qualquer pessoa com cérebro teve tempo suficiente para examinar a “fraudemia” e ver que era falsa. Como cristãos, somos obrigados a examinar tudo para ver se é verdade ou não, e aferrar-nos apenas ao que é bom (I Tes. V, 21). Se ignoramos isto e saímos correndo para tomar a injeção somente para podermos viajar, então estamos sendo idiotas e covardes, não estamos vivendo de acordo com a verdade.


Assim, a falsa paz em que vivemos agora é como o verão de 1914, antes do estouro da Primeira Guerra Mundial. Ninguém fazia ideia de que nos três ou quatro anos seguintes cerca de 16 milhões de pessoas seriam mortas. Foi um verão em que as pessoas ainda desfrutavam das viagens pela Europa em paz. Na verdade, ao ver-se nesse momento quase todos os controles da covid desaparecendo, pelo menos no hemisfério norte, é como se nos estivessem dado este verão para enganar-nos. Eles querem que pensemos que não há nada de errado. Sabem que as mortes logo começarão a ocorrer como consequência das injeções. E, para aqueles de nós que não tomaram a injeção, ainda haverá sérios distúrbios nos campos da economia e da segurança nacional e local. Não haverá ambulâncias ou agentes funerários suficientes para levar os mortos, muitos desses funcionários terão tomado a injeção, e, portanto, poderão estar mortos. Como cristãos, teremos de dar um passo à frente e preencher a lacuna. Portanto, todos deveríamos comprar um traje de proteção contra materiais perigosos, já que é altamente provável que nos peçam para ajudar a carregar os mortos para o túmulo.


Pode-se discordar do Irmão quanto ao traje de proteção contra materiais perigosos, mas não é tão fácil discordar de sua visão geral.


Kyrie eleison.