Novena aos Santos Anjos, por São João Bosco - Dia 03



TERCEIRA CONSIDERAÇÃO


Benefícios quotidianos dos Anjos da Guarda


O jovem Tobias viajando em companhia de seu Anjo foi uma perfeita imagem de todos nós que também caminhamos acompanhados pelo nosso. Havia porém nele uma diferença: Tobias via-O sem saber que era um anjo, ao passo que nós, ao contrário, sabemos quem é mas não O vemos. De família pobre e com o pai cego, Tobias teve de empreender uma longa e perigosa viagem, sendo ainda jovem e inexperiente no conhecimento dos caminhos. E então? Apenas tinha ele posto os pés fora de casa quando encontrou-se com um belíssimo jovem (o Anjo Rafael) que, vestido para viagem, ofereceu-se gentilmente como companheiro e guia. Assim também nosso Anjo, desde que aparecemos neste mundo, põe-se junto a nós, ao nosso lado, nunca nos abandonando ao longo de todo o caminho de nossa vida. E quem pode contar de quantos perigos não nos livrou nosso amoroso Guarda, e de quantos bens não nos fez Ele participar? Bem sabemos a quantos perigos estamos expostos em nossa infância, quantas são as vicissitudes de nossa juventude e durante todo o decurso de nossa vida, ora por doenças, ora por viagens, ora por problemas difíceis ou por encontros nocivos, ou ainda por casos adversos e inesperados. Todos recordamos quão amiúde nos vimos livres, de maneira providencial e quase milagrosa, de tais perigos. Lê-se de uma pessoa que, sentindo-se inspirada a sair de casa, esta desabou mal ela tinha saído; outra afastou-se de um lugar e logo entendeu que havia assim escapado de um incêndio; outra ainda, ao modificar seu itinerário, evitara uns assassinos ; mais outra, por ter-se deixado ficar em casa, livrara-se de catástrofes ou de emboscadas. E a que se deve tudo isto senão à vigilância amorosa de nosso Anjo, que sem cessar vela atentamente sobre nós? Assim verifica-se bem claramente o dito do Real Profeta segundo o qual o Anjo do Senhor nos livra dos perigos: "Um Anjo do Senhor postar-se-á em volta daqueles que O temem, e os libertará" (Salmo 33, 8). Ele está junto de nós, diz Santo Ambrósio, e caminha à nossa frente para que nada nos possa causar dano.

Cada um de nós pode dizer com Tobias que, apesar de tantos riscos já corridos, acha-se agora são e salvo graças ao seu bom Anjo da Guarda. Tobias, com efeito, recuperou rapidamente a avultada soma que lhe era devida, e após ter atribuído o fato à bondade do devedor, logo percebeu ter sido graças à bondade do Anjo que ele encontrara o melhor modo de cobrar a quantia. Ele imputou a uma feliz obra do acaso o fato de ter-se casado segundo a lei e o dever com uma mulher de sua condição, tão honesta quanto abastada, mas deu-se conta de pois de que isto também era um favor do Anjo. Tomou por revés o ter corrido o risco de ser devorado por um enorme peixe, mas percebeu ter sido isto ainda um benefício de seu Anjo, que serviu-se do peixe para pôr em fuga um demônio e para devolver a vista ao seu pai que era cego. Assim, nesta série de acontecimentos que pareciam fortuitos, a gratidão do jovem reconheceu a ação constante e benfazeja de seu Anjo, e prorrompeu com esta exclamação: "Por Ele fomos cumulados de todos os bens" (Tobias 12, 3). "Oh, que excelente cuidado têm os Anjos para conosco", exclama comovido Santo Agostinho, "quão afetuosa é esta vigilância com que eles nos assistem a todo momento, em todas as circunstâncias e onde quer que estejamos!"


Meu Anjo da Guarda, quanto é verdade que tivestes também para comigo semelhante conduta de amor! Basta uma olhadela sobre os anos que passaram, sobre os acontecimentos, para que meu coração logo me diga que foi por vossa causa que fui preservado dos males a que escapei. O mesmo deve ser dito dos bens de que aproveitei. Reconheço que tudo o que sou e o que tenho, meus bens e meus dias, tudo foi-me dado por Vós.


PRÁTICA


Todo sucesso obtido e todo risco evitado, reconhecei-o como fruto da intercessão, das

luzes e da assistência do Santo Anjo. Por isso dirigi-lhe vossas orações de manhã e de noite, e especialmente ao empreender alguma viagem ou ao sair de casa; rezai de todo o coração em tempo de dúvidas e angústias, suplicando-lhe que vos bendiga e vos livre de toda desgraça.


EXEMPLO


Um acontecimento ocorrido há pouco confirma de modo maravilhoso que os Anjos da

Guarda nos dispensam todos os dias grandes favores.


Em 31 de Agosto de 1844, sendo necessário que uma pessoa fizesse uma viagem para resolver um assunto, foi-lhe sugerido que se recomendasse ao seu Anjo da Guarda para o sucesso da empresa, o que foi feito com gosto tanto pela pessoa em questão quanto pelos seus acompanhantes, ficando assim colocada em mãos angélicas todo o propósito da viagem. Tendo já o veículo que os levava feito longo trecho do caminho, de repente desatam os cavalos em desembestada carreira e galopam tão desenfreados que nem sequer sentem as puxadas nas rédeas para fazê-los parar. Entre gritos de pavor o carro choca-se num monte de pedras, vira-se de lado, derruba quantos vão dentro e avaria-se gravemente. Tendo a portinhola saltado fora, correm todos grande risco de serem esmagados, enquanto os cavalos continuam o endiabrado galope. Não esperando outro socorro senão o de seu Anjo da Guarda, um dos passageiros grita com o que lhe resta de voz: "Santo Anjo do Senhor, meu zeloso guardador..." Foi o bastante para salvá-los todos. Imediatamente acalmam-se os animais e os passageiros tranquilizam-se como podem. Estupefatos, olham-se uns para os outros e constatam que nenhum deles sofrera o menor dano, o que os faz exclamarem: "Bendito seja Deus e o Anjo da Guarda que nos salvaram!" E tendo retomado o caminho, chegaram com sucesso ao destino.


Eis confirmada com este fato a verdade que Deus nos ensina pela Sagrada Escritura, segundo a qual o Senhor nos deu um anjo que nos serve de protetor e guarda em todos os nossos caminhos: "O Senhor enviou seus anjos para que te guardassem em todos os teus caminhos" (Salmo 90, 11).