VOZ DE FÁTIMA, VOZ DE DEUS Nº 2

VOZ DE FÁTIMA, VOZ DE DEUS     Nº2

11 de fevereiro de 2017

Vox túrturis audita est in terra nostra”

(Cant. II, 12)

O Terceiro Segredo e o Concílio

Os que estudam seriamente Fátima sabem que a chamada “revelação do Terceiro Segredo” é uma falácia. Entre vários argumentos em abono do que digo há um ao qual gostaria de me referir e que, infelizmente, é pouco falado: a causa por que os Papas desde João XXIII até Francisco negaram-se a revelá-lo. Indaguemo-nos com toda simplicidade qual seria o conteúdo ali existente que faria calá-los tão teimosamente. Qual é a “pupila dos olhos” desses Papas? Acaso não é, com toda a evidência, o Concílio Vaticano II? Sim, caro leitor, é isso que quero dizer: estou pessoalmente convencido de que no Terceiro Segredo há a “palavra mágica” “Concílio”. E certamente ela figura aí não em termos elogiosos, mas como sendo a causa da “desorientação diabólica”¹ na qual vivemos; esse Concílio, no entanto, é considerado pelos ditos Papas como a “primavera da Igreja” (e ai daquele que o contestar! Mesmo que seja a Mãe de Deus!!!) Saiba também o leitor que essa minha convicção pessoal não é gratuita nem sem fundamento. Aduzo em seu favor dois testemunhos de duas pessoas de grande peso: o Cardeal Oddi e a Irmã Lúcia. O Cardeal Oddi disse: “Conforme me é conhecido, está escrito que aproximadamente em 1960 o Papa teria convocado o Concílio do qual, contrariamente ao que se esperava, teria derivado tantas dificuldade para a Igreja”.² Com as palavras “conforme me é conhecido”, com toda segurança poderíamos acrescentar às mesmas: “pelo que soube junto aos que leram o Segredo”. A Ir. Lúcia, respondendo às perguntas que lhe fizeram se o Segredo tinha a ver com o Concílio e suas consequências, ela respondeu “Não posso dizer – não posso falar” “Eu li alguns documentos do Concílio, mas não os li todos” “Eu li sobre alguns problemas, mas não li tudo”.³ Respostas evasivas de quem não quer dizer o que foi perguntado. Por que não o faria? Se a resposta fosse “não” seria muito simples de o fazer. Mas se a resposta fosse “sim” ela estaria diante de dois problemas: 1) Ela não poderia desobedecer àqueles que tinham autoridade sobre ela, os quais com toda verossimilhança eram acérrimos defensores do Vaticano II e tê-la-iam proibido de o dizer; 2) Ela poderia não poderia mentir. Daí as suas respostas tipicamente escapatórias. Quão bom seria se todos os católicos estivessem convictos da realidade da tese que defendo! Por respeito e obediência às palavras de Nossa Senhora rejeitariam o Vaticano II e as reformas pós-conciliares e voltariam ao que a Igreja sempre ensinou antes do Concílio e adeririam à Tradição bimilenar. Queira Deus que assim o seja com a contribuição deste modesto artigo.

1- Palavras da Ir. Lúcia, citadas em “Fátima joie intime événement mondial”, pág. 409. 2- 30 Giorni, novembro de 1990. 3- Cf. Controverses, abril de 1995.

#Atualidades #Fátima

Posts recentes

Ver tudo

VOZ DE FÁTIMA, VOZ DE DEUS Nº 69

22 de dezembro de 2018 “Vox túrturis audita est in terra nostra” (Cant. II, 12) Nada melhor do que uma boa confissão para se preparar para o Natal. Além dos pecados mortais, que cada um se examine tam

VOZ DE FÁTIMA, VOZ DE DEUS Nº 68

22 de setembro de 2018 “Vox túrturis audita est in terra nostra” (Cant. II, 12) UNA CUM A liturgia faz o sacerdote rezar assim pela Igreja e por seus pastores no cânon da missa: “IN PRIMIS, quæ tibi o

VOZ DE FÁTIMA, VOZ DE DEUS Nº 66

8 de setembro de 2018 “Vox túrturis audita est in terra nostra” (Cant. II, 12) Para ler e reler II Continuamos a edição de palavras de Dom Lefebvre em datas posteriores à sua assinatura do Protocolo d