VOZ DE FÁTIMA, VOZ DE DEUS Nº 21

27 de junho de 2017

“Vox túrturis audita est in terra nostra”

(Cant. II, 12)

O que pensava a Irmã Lúcia sobre a crise por que passa a Santa Igreja? Qual a atitude que ela julgava se deveria ter diante da mesma? Segundo alguns escritos e entrevistas supostamente dela, a mesma não teria sido muito firme na rejeição da hecatombe que assola o mundo eclesiástico. Mas foram autênticos os referidos testemunhos, sejam escritos sejam falados? Parece-nos que não. E em abono do que digo, gostaria de trazer aqui um testemunho que me parece da mais alta importância e de uma confiança humanamente inegável.

Trata-se das palavras de um sacerdote beneditino, muito piedoso e sério, que viveu os últimos anos de sua vida no seminário de Ecône, junto com Dom Lefebvre, recolhidas pelo sr. Daniel Le Roux, o qual, por sua vez, é também uma pessoa de total confiança e que viveu muito tempo com Dom Lefebvre e era muito estimado por este, assim como compartilhavam ambos do mesmo modo de encarar a revolução na Igreja. Pois bem, o dito sacerdote disse que, estando em seu mosteiro, vendo introduzir-se nele o malfadado aggiornamento, e ao mesmo tempo sabendo da crescente fama de Dom Lefebvre como valoroso combatente das inovações conciliares, procurou saber da Irmã Lúcia o que ela pensava do Arcebispo, pois não faltavam comentários denegrindo sua reta intenção e autêntica catolicidade. Para isso, o nosso monge recorreu a uma parente da Irmã Lúcia que de vez em quando falava com ela. Após certo tempo, chegou a resposta: “Ele (Dom Lefebvre) é o único bispo a ver claramente hoje”, disse a Irmã Lúcia. Isso ocorreu por volta do ano de 1970. Gostaria de ressaltar que essas palavras não desdouram o nosso ínclito Dom Antônio de Castro Mayer nem outros bons prelados que havia ainda naquela época, mas que se explicam simplesmente porque estes outros bispos eram menos conhecidos e cuja posição firme não chegou ao conhecimento da Irmã Lúcia. De qualquer forma, fica aí um testemunho que me parece poderia ajudar a muitos para verem que os tradicionalistas que consideram a posição de Dom Lefebvre o modo mais correto de reagir ao progressismo reinante conformam-se plenamente à mensagem de Fátima.

Queira Deus que muitos assim o vejam e, vendo, ajam do mesmo modo que o Arcebispo, não compactuando de modo algum com os maiores inimigos de Nosso Senhor e de Sua Igreja: os progressistas-modernistas-liberais.

                                                                                                                                                     Arsenius

U.I.O.G.D

Posts recentes

Ver tudo

VOZ DE FÁTIMA, VOZ DE DEUS Nº 69

22 de dezembro de 2018 “Vox túrturis audita est in terra nostra” (Cant. II, 12) Nada melhor do que uma boa confissão para se preparar para o Natal. Além dos pecados mortais, que cada um se examine tam

VOZ DE FÁTIMA, VOZ DE DEUS Nº 68

22 de setembro de 2018 “Vox túrturis audita est in terra nostra” (Cant. II, 12) UNA CUM A liturgia faz o sacerdote rezar assim pela Igreja e por seus pastores no cânon da missa: “IN PRIMIS, quæ tibi o

VOZ DE FÁTIMA, VOZ DE DEUS Nº 66

8 de setembro de 2018 “Vox túrturis audita est in terra nostra” (Cant. II, 12) Para ler e reler II Continuamos a edição de palavras de Dom Lefebvre em datas posteriores à sua assinatura do Protocolo d