XVI – Disposição para a Sagrada Comunhão - Limpar-se e mudar a roupa



1 – Limpar-se


Para fazer, pois, a Sagrada Comunhão com maior resultado não basta haver tirado da alma o pecado mortal: é preciso ainda limpá-la dos pecados veniais que desgostam o bom Deus.


“É uma casa que deve receber o Rei!” – Um gentil homem, ao saber que o rei viria à sua terra a fim de ali se deter alguns dias, pôs a sua casa à disposição do Soberano. Essa casa era bela por si; mas o gentil homem não a limpou muito bem: contentou-se apenas a expulsar os animais imundos que havia dentro dela, e em retirar a sujeira mais repelente, e nada mais fez. Não vendo o rei na casa nenhuma alfaia, mas sim teias de aranha aqui e ali, e muito pó, sentiu desgosto e disse ao dono: “Isso é casa para receber o rei?”.


***


O gentil homem, cuja conduta nasce do desdém, representa o cristão que se chega à Sagrada Comunhão satisfeito apenas com haver expulsado da alma os pecados mortais, sem desprender o coração dos pecados veniais.


2 – Mudar a roupa (as virtudes requeridas)


Antes de fazer a Sagrada Comunhão é preciso também pensar no que se vai receber, e fazer uma boa preparação, revestindo e adornando a alma das virtudes requeridas.


“Vem o imperador!” — Um imperador devia ir visitar uma cidade. Os cidadãos se achavam muito honrados com essa visita e se davam ao trabalho de preparar a cidade do melhor modo possível: limpavam as ruas e ali espargiam flores, erguiam arcos triunfais, içavam bandeiras, ornavam as casas com alfaias, e arranjavam uma grande iluminação para a noite. Os forasteiros indagavam:

- Por que todo esse aparato?

- Como? Não sabeis? Vem o imperador!


***


Na Sagrada Comunhão vem fazer-nos visita o Rei do Céu e da terra; e nós também devemos fazer para Ele grandes preparativos: as virtudes, isto é, uma fé viva, uma grande esperança, um grande amor, uma humildade profunda, depois nos devemos excitar a uma grande contrição, ter, enfim, um ardente desejo de receber Jesus. E estes são ainda os atos que deveis antepor à Sagrada Comunhão.


a) Fé viva


Deveis crer firmemente que comungando recebeis em vós Jesus Cristo vivo e verdadeiro: justamente aquele Jesus que nasceu da Virgem Maria, padeceu e morreu pela nossa salvação e está agora no Céu à direita do seu divino Pai, e virá um dia a julgar os vivos e os mortos. Essa verdade, que Jesus está presente na Eucaristia, deveis crê-la com maior certeza do que se aparecesse visível aos vossos olhos.


b) Grande Esperança


Por que vem a vós Jesus? Porque vos quer tornar bons e santos; porque vos quer um dia no Paraíso consigo. Por isso deveis esperar que vos dê grandes coisas; e quanto mais o esperais, mais obtê-lo-eis, porque ele é onipotente.


c) Grande amor


Dizei-me, não é, porventura, verdade que Jesus vem a vós pelo amor imenso que vos dedica? E seríeis frios com ele? Pelo contrário! Inflamai-vos de uma ardente caridade para com um Deus tão benéfico, um Pai tão bom, um Salvador tão generoso. E como ao vos admitir à sua mesa ele se dá todo a vós, deveis dar-vos a ele inteiramente, sem reservas.


d) Humildade profunda


Deveis humilhar-vos e aniquilar-vos perante Jesus, enchendo-vos de admiração ao pensar que um Deus de tanta majestade, diante de quem tremem os Anjos, se digna descer do Céu a fim de visitar a vós que sois miseráveis criaturas.


e) Grande contrição


Não fostes filhos ingratos para com o bom Pai que é Deus? Não o tendes ofendido? Infelizmente é assim. Invocai, afinal, à mente as múltiplas infidelidades vossas, e tantos pecados cometidos... Se é assim, não sois certamente dignos de receber Jesus em vosso coração. Mas se vos mantendes longe dele, onde ireis acabar? Ide, pois, a ele: mas primeiro deplorai ainda os vossos pecados e rogai-lhe perdão.


f) Ardente desejo


Quanto esperamos em nossa casa a chegada de uma pessoa querida, não é verdade que nos ativamos com o desejo dessa chegada, e esperamos quase com impaciência esse momento? Assim deveis desejar a vinda de Jesus a vós: esperar com ansiedade o feliz momento de unir-vos com ele na Sagrada Comunhão.


(Extraído do livro A Palavra de Deus em Exemplos, G. Montarino,

Do original La Parole di Dio per la Via d’Esempi)